Resenha: Corte de Névoa e Fúria

agosto 06, 2018

O aguardado volume da saga iniciada em Corte de Espinhos e Rosas, da mesma autora da série Trono de Vidro. Nessa continuação, a jovem humana que morreu nas garras de Amarantha, Feyre, assume seu lugar como Quebradora da Maldição e dona dos poderes de sete Grão-Feéricos. Seu coração, no entanto, permanece humano. Incapaz de esquecer o que sofreu para libertar o povo de Tamlin e o pacto firmado com Rhys, Grão-Senhor da Corte Noturna. Mas, mesmo assim, ela se esforça para reconstruir o lar que criou na Corte Primaveril. Então por que é ao lado de Rhys que se sente mais plena? Peça-chave num jogo que desconhece, Feyre deve aprender rapidamente do que é capaz. Pois um antigo mal, muito pior que Amarantha, se agita no horizonte e ameaça o mundo de humanos e feéricos.
Recomendo para quem não leu ainda o primeiro livro da saga, Corte de Espinhos e Rosas, que evite ler essa resenha, pois alguns acontecimentos dele serão comentados aqui.

Após morrer em Sob a Montanha para salvar Prythian das garras de Amarantha e receber uma dádiva dos sete Grão-Feéricos, Feyre recebe volta a vida após receber uma dádiva dos sete Grão-Feéricos. Ela então retorna à Corte Primaveril ao lado de Tamlin, mas é atormentada pelos fantasmas de todo o sofrimento que passou, mesmo se esforçando para reconstruir um lar ao lado do Grão-Senhor. Feyre não consegue mais ficar trancada em casa. Ela anseia em sair e ajudar o povo da Corte e não somente planejar seu próprio casamento e se preocupar com vestidos e refeições.

Além de toda a sua angústia, há ainda o pacto firmado com Rhys ao qual ela deve cumprir. Feyre se vê tendo de passar uma semana do mês com esse Grão-Senhor que tanto despreza na Corte Noturna. Mas, para sua surpresa, ela percebe com o tempo que se sente melhor ao lado de Rhys enquanto a proteção de Tamlin a sufoca. 

Em meio a tudo isso, Feyre ainda entende que há um mal em Hybern muito pior que Amarantha. Por isso ela precisa aprender a lidar com os poderes que herdou dos Grão-Feéricos para ajudar a defender o mundo de humanos e feéricos.


Quando gosto muito de um livro, parece que nunca sei como colocar em palavras a viagem incrível ao qual ele me proporcionou. Com Corte de Névoa e Fúria, segundo livro da trilogia Corte de Espinhos escrito pela autora americana Sarah J. Maas, foi exatamente assim. Além de uma evolução maravilhosa de Feyre, mostrando a superação dela diante de todas as dificuldades, Sarah. J. Maas apresenta um romance complexo e profundo, que faz com que você se apaixone extremamente pelo casal. Há ainda cenas cheias de ação e reviravoltas e o leitor se vê sem fôlego na maior parte do livro. É aquele tipo de obra que, mesmo sendo um calhamaço, você devora em pouquíssimos dias simplesmente pela história ser muito envolvente.


Eu amei como a Sarah J. Maas mostrou um outro lado dos personagens nesse segundo livro e confesso que ele é o meu favorito dessa trilogia. Mesmo que a edição feita pela Galera Record tenha me incomodado um pouco, visto que faltava a maioria dos travessões, a narrativa compensa sendo muito fluida e em primeira pessoa e a história é completamente envolvente, com personagens apaixonantes, mesmo os já vistos como os que ainda eram inéditos, e reviravoltas excepcionais desde o primeiro capítulo.

Às estrelas que ouvem e aos sonhos que são atendidos.


Título: Corte de Névoa e Fúria

Autor(a): Sarah J. Maas

Publicação: Editora Galera Record

Gênero: Fantasia

Páginas: 658

Você Pode gostar também

0 comentários